OMS alerta para estagnação na taxa de vacinação internacional; 20 milhões de crianças não estão imunizadas

Cobertura no mundo é de 86%, sendo que o ideal seria 95% para prevenção de novos surtos epidêmicos.

Brasil tem programa de vacinação estruturado pelo SUS — Foto: Divulgação/Prefeitura Municipal de Ponta Grossa
Brasil tem programa de vacinação estruturado pelo SUS. (Foto: Divulgação/Prefeitura Municipal de Ponta Grossa)

Entre as 135 milhões de crianças que nascem a cada ano no mundo, cerca de 20 milhões não recebem as vacinas essenciais. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), essa é umas razões da estagnação da taxa de imunização internacional: 86%, dado divulgado nesta segunda-feira (15).

A organização alerta que essa cobertura vacinal não é suficiente para prevenir surtos epidêmicos, sendo que a taxa requerida é de 95%. Um dos casos apontados como exemplo é o retorno do sarampo, doença altamente contagiosa que em 2017 matou 110 mil pessoas.

“Este é um alerta de que não podemos continuar assim. Precisamos renovar o compromisso para garantir que todos sejam vacinados a tempo”, declarou a diretora do Departamento de Imunização da OMS, Kate O’Brien.

O déficit de imunização não é um problema exclusivo dos países pobres. A OMS alerta que países mais ricos também têm comunidades e coletivos com níveis completamente insuficientes de vacinação. Mesmo assim, O’Brien disse que a principal razão da baixa taxa de imunização é a falta de acesso nas periferias e em bairros marginalizados.

Além disso, movimentos antivacinação têm um papel secundário – vários países que tinham alcançado altos níveis de imunização tiveram retrocessos. No Brasil, por exemplo, a cobertura da primeira dose da vacina contra o sarampo caiu de 99% para 84% nos últimos anos.

Fonte: G1.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *