Conheça o método de Einstein, Darwin e Nietzsche para desenvolver ideias

 

 

 

Darwin (Foto: Pixabay)

 

Aos 16 anos, Albert Einstein flertou pela primeira vez com a ideia que originaria a Teoria da Relatividade. Como? Pensando. Tanto o físico quanto outros notáveis como Charles Darwin e Friedrich Nietzsche desenvolveram hipóteses se dedicando apenas a prática de pensar — e mais nada.

Fiona Kerr, especialista da Universidade de Adelaide, na Austrália, explicou como esse tipo de pensamento reflexivo funciona: “Sonhar acordado (como com a reflexão) permite que a mente vagueie. O resultado é mais produtivo de forma consistente quando se trata de problemas complexos ou vem com soluções e ideias criativas”.

Kerr não é a única a se dedicar a análises sobre o assunto. Desde os anos 1980, muitos estudos na área têm sido feitos e provado que passar um tempo apenas pensando ajuda na consolidação da memória e permite a formação de conexões não-lineares, que ajudam na capacidade de desvendar e atingir problemas e analisá-los através de uma nova ótica.

Querendo ou não todas as pessoas fazem isso de alguma maneira, mas se dedicar conscientemente ao hábito pode trazer resultados muito mais relevantes. Por isso Zat Rana, do Bunsiness Insider, resolveu dedicar duas horas da sua semana apenas para a atividade — e os resultados foram impressionantes.

A experiência

O jornalista separou duas horas semanais, normalmente às quintas-feiras, para pensar e mais nada. Desligava os eletrônicos e se trancava no quarto com um caderno e uma caneta enquanto se questionava sobre seu trabalho e seu estilo de vida.

“Posso dizer honestamente que esta foi a atividade que teve maior retorno na minha vida. Me obriguei a equilibrar o curto prazo com o longo prazo. Eu notei o problema antes que eles se tornassem problemas, e esbarrei em eficiências e ideias que eu não teria encontrado de outra forma”, relata.

Nem sempre é fácil começar a refletir, então Rana usava perguntas como “como posso acelerar o processo para chegar onde eu quero?” ou “o que pode dar errado nos próximos seis meses da minha vida?”.

Ele lembra, entretanto, que cada pessoa deve buscar o que é melhor para sua vida, sejam 30 minutos diários de reflexão ou duas horas, e reitera: “Einstein não seria Einstein sem seus experimentos de pensamento, assim como Darwin e Nietzsche, ambos provavelmente teriam lutado contra a criatividade e a produtividade se não fosse por suas caminhadas”.

 

Fonte: Galileu

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *